About me

NOME: MANUEL Ventura CAJUDA de Sousa
DATA de NASCIMENTO: 27 -06 -1951
ESTADO CIVIL: Casado
NACIONALIDADE: Portuguesa
LÍNGUAS: Português; conhecimentos de Inglês, Francês e Espanhol
Nível Máximo de Treinador na Europa: PRO/UEFA 2008 -PRO/UEFA 2011 -PRO/UEFA 2014 -PRO/UEFA 2018
.“Baseio meu trabalho no respeito e na amizade. Com respeito e amizade acontecem, a organização , a disciplina , s resultados e o sucesso. Gosto de ser um técnico de diálogo com atletas e dirigentes, adequando  O que se pode dizer de Manuel Cajuda como treinador? Tem o toque de Midas, tudo em que toca parece transformar-se em ouro. É um treinador astuto, inteligente e transdisciplinar. Os seus conhecimentos vão muito além da compreensão do jogo. É um treinador inovador e actualizado. Foi o primeiro treinador em Portugal a perceber a dimensão mental do jogo, utilizando na sua equipa um psicólogo. Há mais de vinte anos, chamaram-lhe louco. Hoje, todos lhe dão razão. Sempre somou aos seus conhecimentos uma visão tecnicista e uma visão especialista. É um visionário.
Captura de ecrã 2014-01-6, às 18.12.25
564 Jogos na Melhor Liga Portuguesa. Galardoado pela Associação de Treinadores de Portugal (ANTF)

Muitas vezes foi contestado pelo valor das suas ideias e pela convicção com que as defende. Publicamente despreza a táctica como valor absoluto do jogo, mas na preparação das suas equipas é um tacticista puro. Costuma dizer que “quem só sabe de tácticas nada percebe de futebol” porque sempre entendeu que a interacção entre as várias ciências que envolvem o futebol pode modificar estratégias e sistemas tácticos.

Tem uma grande inteligência emocional, mexe com facilidade na cabeça dos jogadores, levando-os a crer que as suas possibilidades são ilimitadas. Um episódio denuncia a sua qualidade humana e dimensão emocional. Quando chegou a Guimarães deparou com um grupo de jogadores com baixa moral. Descrente e sem fulgor. Ao fim de dois jogos e duas derrotas, Manuel Cajuda achou que o rendimento da equipa não se alteraria apenas pela via do treino. Pediu a um colaborador que fizesse uma montagem vídeo, com entrevistas a familiares dos jogadores – mulheres e filhos. Nesse vídeo, os familiares apelaram ao coração dos jogadores e sobretudo demonstraram a sua confiança neles. Lá fora, nos estádios, ninguém acreditava nos jogadores, mas Manuel Cajuda quis passar uma mensagem diferente: «Era importante que eles soubessem que alguém, além de mim, acreditava neles. As suas famílias, as suas mulheres, os seus filhos, acreditavam neles»

O choque foi brutal. No dia do jogo seguinte para o campeonato, Manuel Cajuda reuniu os jogadores numa sala e mostrou-lhes o vídeo. Foram muitos os jogadores que choraram, foram todos os que sentiram uma motivação que nunca tinham sentido nas suas carreiras.

O Vitória de Guimarães ganhou o jogo e não voltou a perder até ao fim do campeonato. E subiu de divisão. Curiosa a justificação de Cajuda no final. “Subimos por questões filosóficas e psicológicas e não tanto por metodologia de treino e por tácticas” E no ano seguinte chegou ao terceiro lugar da Liga Sagres.

 

DESTAQUES

 

SPORTING CLUBE DE BRAGA

Dois Quartos lugares na melhor Liga Portuguesa e apuramento pala a Liga UEFA (hoje Liga Europa) 16 anos depois.

Recordado pelos adeptos como o “Pai do Braga” ele foi um dos primeiros treinadores do clube a atingir os primeiros lugares do campeonato. Dois quartos lugares num clube no ano anterior há sua chegada, não desceu de divisão por um ponto. Apurou o Braga para as competições europeias, quase vinte anos após a sua última participação. Considerado pelos adeptos do SC.Braga um dos melhores treinadores de sempre do clube.

 

VITÓRIA de GUIMARÃES

Subida para a Super-Liga Portuguesa 3º Lugar na Super-Liga e Apuramento para a liga dos Campeões

Grande rival do SC Braga, nem por isso a sua ligação afectiva o prejudicou em Guimarães. O Vitória é um dos melhores clubes portugueses, com adeptos muito exigentes. É considerado um herói na cidade. Foram os adeptos que o vestiram de D. Afonso Henriques, o primeiro rei de Portugal, “O Conquistador”, pelo mérito do seu trabalho no clube.
Manuel Cajuda é um treinador que tem uma grande inteligência emocional
 Quando chegou a Guimarães, para substituir Norton de Matos, o clube atravessava a sua pior fase de sempre. Tinha descido à Segunda Divisão e estava mais perto de voltar a descer à Terceira Liga do que voltar a subir à Liga Sagres. A sua intervenção, primeiro no plano emocional – tem grande inteligência emocional – e depois no plano estratégico salvaram o clube. A equipa fez, nesse ano, uma recuperação sensacional e conseguiu a subida à Primeira Liga. No ano seguinte, novo e retumbante sucesso. Consegue o terceiro lugar do campeonato, à frente do Benfica e apenas a dois pontos do Sporting, segundo classificado. Melhor classificação de sempre do clube e apuramento histórico para a pré-eliminatória da Liga dos Campeões. Teria entrado na Champions, se não fosse um roubo indescritível, em Basileia, da equipa de arbitragem.   Um golo limpo, anulado a três minutos do fim do jogo na Suíça, tirou a Manuel Cajuda a possibilidade de se manter na principal competição mundial de clubes.

UNIÃO de LEIRIA

Mais um clube que tem a marca indiscutível de Manuel Cajuda. O quinto lugar alcançado e a presença na final da Taça de Portugal fazem desta época orientada por Manuel Cajuda como a melhor da história do clube no campeonato português. Mais assinalável se torna o facto, considerando que Manuel Cajuda treinou na época a seguir a José Mourinho no comando técnico da equipa da União de Leiria. Numa anterior passagem pelo clube, entrou com o clube no ultimo lugar da segunda divisão e ascendeu à Liga principal Portuguesa.

 

MARITÍMO da MADEIRA

Mais um clube e mais uma marca histórica. Uma das melhores classificações do Marítimo , com uma qualificação para as competições europeias. Poucos treinadores na história do clube conseguiram tão bons resultados como Manuel Cajuda. Depois dele, outros treinadores de prestígio não conseguiram igualar a sua pontuação no campeonato nem o carisma entre os adeptos.

 

 

Zamalek

Vice-Campeão do Egypto e Finalista da Taça do Egypto

Quando chegou ao clube africano do século, o Zamalek vivia em crise profunda. Talvez a sua maior crise de sempre. Na época anterior, o Zamalek tinha-se afundado na sua pior classificação de sempre. A sua Época ficou marcada por sucessivas mudanças de direcção (10).Homem habituado a reconstruir equipas, Manuel Cajuda conseguiu levar o clube egípcio ao segundo lugar do campeonato, atrás do Al Ahly e à final da Taça do Egipto, que também perdeu para o seu rival campeão. No Egipto todos reconheceram que era impossível conseguir melhor, já que o desnível entre o Zamalek e o Al Ahly era enorme. Na altura fez a melhor época do Zamalek nos últimos 10 anos. Foi fundamental na recuperação do Clube. Ainda hoje é bem recordado pelos adeptos.

AL SHARJAH

Foi o primeiro clube a vencer o campeonato nos Emiratos Árabes Unidos, mas que se afundou nos últimos lugares do campeonato, nas últimas épocas. Mais uma vez, pediram a Manuel Cajuda que começasse tudo de novo. O objectivo é refundar o clube e dar-lhe, de novo, o prestígio que perdeu. Na primeira época, o sucesso. Nos últimos onze jogos da época anterior à entrada de Manuel Cajuda, o Sharjah perdeu nove, empatou um e só ganhou outro. Salvou-se da descida apenas na última jornada. Na primeira época do treinador português, tudo foi diferente. A cinco jornadas do fim conseguiu mais três pontos que a pontuação da equipa na época anterior, fixou-se no sexto lugar do campeonato e colocou a sua equipa a praticar o melhor futebol da Liga. Ao fim de três meses no Sharjah, o presidente do clube propôs-lhe a renovação de contrato por mais dois anos.

 

Congqing (China)

A sua enorme vontade de conquistas , de evoluir  e adquirir novos conhecimentos e culturas levou Manuel Cajuda até ao continente Asiático . Pegou num clube com apenas 7 pontos em 15 jogos, com apenas uma vitória e 19 pontos perdidos em casa. Manuel Cajuda triplicou todos os resultados anteriormente conseguidos  e fez 22 pontos nos restantes 15 jogos , seis vitórias e quqtro empates e nunca mais perdeu em casa onde antes contabilizou 5 derrotas.

É este o toque de Midas de Manuel Cajuda, feito por quatro continentes (Europa , Africa , Ásia) e  quiser-mos considerar simpáticamente o Médio Oriente  como mais um.

 

Subidas de Divisão

Durante a sua carreira, Manuel Cajuda foi o treinador, que em quatro ocasiões diferentes de outros tantos clubes na Liga de Honra. Em todas elas subiu de divisão. Assim foi no Farense (TA) , Torriense, na U. de Leiria, e no Vitória de Guimarães. No caso do Torriense, tal sucesso foi alcançado mais de um quarto de século (27 anos) depois da última participação na primeira divisão.

José Marinho

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.